Menu

Assine nossa newsletter

Resenha

Era para acontecer hoje a 37ª edição do Encontro com Espectadores – ação do Teatrojornal que se configura como uma conversa entre artistas, críticos e público sobre um espetáculo previamente escolhido. O solo Uma frase para minha mãe, da atriz Ana Kfouri estaria em foco inaugurando um novo calendário: neste ano os encontros voltam a se dar nas noites segunda-feira, sempre a última do mês, em lugar das tardes de domingo, como vinha ocorrendo desde 2018, quando o evento passou a ser apoiado pelo Itaú Cultural.

Leia mais

Artigo

Da sala de ensaio que coabito há décadas à experiência da escrita ensaística aqui ensejada, este artigo comparte angústias, lutas e belezas de quem ama as artes da cena e a partir delas aprendeu a cultivar o discernimento crítico da realidade.

Leia mais

Crítica

Não matarás e Não cometerás adultério (este desdobrou no longa-metragem Não amarás) estão entre os filmes para a televisão que Krzysztof Kieslowski dirigiu na juventude a partir dos dez mandamentos bíblicos do Antigo Testamento. Considerada obra-prima do polonês, a série Decálogo foi rodada no final da década de 1980 em plena agonia do regime comunista no país do leste europeu. Os episódios tinham como pano de fundo um conjunto habitacional, microcosmo do esgarçamento do tecido social. A lembrança de Kieslowski é motivada pelo encontro com o espetáculo Tu amarás, que o grupo chileno Bonobo apresentou durante a 7ª MITsp.

Leia mais

Crítica

Papelão civilizatório

13.3.2020  |  por Valmir Santos

A artista francesa Phia Ménard convida espectadores a explorar o espaço da imaginação e lá construir e destruir coisas belas e terríveis – uma premissa da arte, convenhamos. Mas a centelha está em proceder em tempo real às etapas de arquitetar e ruir uma obra dentro da obra nos 90 minutos de percepções ambíguas quanto a vazio, força e desesperança em Contos imorais – parte 1: casa mãe (Contes immoraux – partie 1: maison mère).

Leia mais

Crítica

Recusa à invisibilidade

10.3.2020  |  por Beth Néspoli

Há três décadas, em uma entrevista, a atriz portuguesa Maria do Céu Guerra vaticinou que os festivais de teatro se tornariam cada vez mais importantes. Em síntese, o argumento é o de que um evento dessa natureza altera a fruição dos participantes, porque desloca foco da atenção do entretenimento e o lança sobre o fenômeno da criação artística. Idealizada pelo diretor Antônio Araújo e pelo produtor Guilherme Marques, a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp) surge em 2014 com essa ambição. Com o intuito de produzir pensamento sobre as artes cênicas tendo como polo irradiador teatralidades de diferentes geografias, formas e temas, e as respectivas vinculações entre cena e territórios de origem tornaram-se também objeto de análises promovidas pelos organizadores.

Leia mais

Reportagem

A reatividade como mecanismo de defesa vem dando lugar ao ato criador por essência em tempos de guerra anticultural no Brasil. Artistas, produtores, estudantes, pedagogos, gestores e demais sujeitos em diferentes áreas de expressão articulam modos mais horizontais, inventivos e politicamente perspicazes de confrontar o autoritarismo de Estado.

Mobilizações ocorridas em São Paulo desde o final de 2019, ao ar livre ou em espaços culturais, sinalizaram procedimentos mais inspiradores na hora de pensar, organizar e articular poeticamente ações e discursos contra o estado de coisas. Afinal, quem atua junto às ciências humanas possivelmente tem amigos ou familiares com transtornos de somatização diante das medidas desse governo doentio que mina os direitos sociais e põe a democracia em risco. Daí redobrar resistências físicas e psicológicas para ir à luta.

Leia mais

Crítica

Eu sempre gostei de tratar de coisas que eu mesmo não sei nomear, afirmou o dramaturgo e diretor Alexandre Dal Farra ao participar da 32ª edição do Encontro com Espectadores, junto ao ator e diretor Clayton Mariano. Ele se referia ao modo como investiga as relações sociais e políticas em sua obra: no calor dos acontecimentos, sem a visão panorâmica trazida pelo distanciamento temporal. Pois tal operação poética, que vê nas incertezas do presente a matéria por excelência a ser tratada no palco, constitui a peça Floresta, com direção e texto de sua autoria.

Leia mais