Menu

Crítica

Foto: Paulo Amaral/Festivale

No limite da dor, direção de Júlio César Ramirez, com Lendias d’Encantar (atriz Ana Ademar)

Para não repetir a História

23 de setembro 2016 |
por Beth Néspoli • São Paulo

Em junho de 2013, centenas de cidadãos tomaram as ruas para protestar contra cortes no orçamento da saúde e da educação e ainda contra a alta taxa de desemprego que já obrigara 200 mil pessoas, 5% da população, a deixar o país em busca de trabalho. A forte recessão tinha origem nas medidas econômicas do governo que assumira o poder há dois anos, e cujo ato primeiro havia sido a extinção do Ministério da Cultura, antes mesmo de tomar posse, em 2011. Leia mais

Crítica

Foto: Ana Araújo

Puro luxo, direção de Antonio Cadengue (atriz Stella Maris Saldanha, ao centro)

A insurreição pelo deboche

22 de setembro 2016 |
por Clarissa Falbo • Recife

Transgredir é lembrar o que acontecia em um galpão de um bairro periférico entre Recife e Olinda em fins dos anos 1970. Um convite à insubordinação é rememorar que nesse local improvável um bando de travestis desafiava com escracho a ditadura e a moral da bem-comportada família brasileira. Puro luxo, o espetáculo mais vibrante da cidade, texto de Luís Augusto Reis e direção de Antonio Cadengue, revisita justamente o teatro do grupo Vivencial (1974-1983) e incita o exame de avanços e retrocessos políticos e estéticos ao longo das décadas. Leia mais

Crítica

Foto: Matheus José Maria

Viúvas - performance sobre a ausência, criação coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz (atuadora Tânia Farias)

Amautas, aqui outra vez

19 de setembro 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

Uma passagem do livro O inconsciente político (1981), do pensador norte-americano Fredric Jameson, parece concentrar o mote de Viúvas – performance sobre a ausência, encenação coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz no contexto do Mirada, em Santos: Leia mais

Artigo

Foto: Felipe Ando

Memórias de um cão, direção de Márcio Marciano, com o Coletivo de Teatro Alfenim (atriz Paula Coelho)

Dialética do Alfenim

16 de setembro 2016 |
por José Antonio Pasta • São Paulo

(Nota crítica e teórica)

Comentando as diferenças que apartam um do outro o teatro e o romance, o celebrado crítico e historiador Décio de Almeida Prado escreveu: “(…) é difícil imaginar, por exemplo, um romance como o Quincas Borba transposto para o palco sem perder sua imponderabilidade, a sua atmosfera feita menos de fatos que de sugestões, de coisas que temos o cuidado de não definir com clareza nem a nós mesmos”.[1]

Pois foi a isso mesmo que se lançou o Coletivo de Teatro Alfenim: transpor para a cena o Quincas Borba machadiano, nada menos. Leia mais

Crítica

Foto: Adrina Marchiori

O mal-entendido, direção de Daniel Colin (Fernanda Petit)

O movimento das águas em Albert Camus

14 de setembro 2016 |
por Fábio Prikladnicki • Porto Alegre

Como uma peça pouco encenada de Albert Camus (1913-1960), que uma estudiosa chegou a classificar em 1961 como um “relativo fracasso”[1] de público, tornou-se um dos espetáculos mais instigantes da cena gaúcha? Recuperando uma joia da dramaturgia, a versão de O mal-entendido levada ao palco pelo diretor Daniel Colin sintetiza uma proposta estética do tipo que usualmente é apresentada por companhias com trabalho continuado. Leia mais

Crítica

Foto: Magali Girardin

Genève, le 22 mars 2014. Spectacle " Please, Continue ( Hamlet ) au Forum Meyrin, cie Yan Duyvendak. Inspirée du dossier d'instruction d'un cas réel, la pièce est jouée par de vrais juges, avocats , procureurs et experts , à l'exception de trois comédiens professionnels. Me Vincent Spira ( avocat de la défense ) rassure son client Thierry Raynaud ( Hamlet ).© Magali Girardin.

O poder em rede do rito judicial

13 de setembro 2016 |
por Gabriela Mellão • São Paulo

Um olhar que vigia
e que, cada um,
sentindo-se pesar sobre si,
acabará por interiorizar,
a ponto de observar a si mesmo.
Michel Foucault

Em Santos

Teatro é arte de comunhão, cuja essência redimensiona o sentido de coletivo. Parceria do catalão Roger Bernat com o holandês Yan Duyvendak, o espetáculo Please, continue (Hamlet), presente na programação do Mirada, reforça a espessura social desta linguagem, instigando a uma reflexão sobre a legitimidade das imposições dos mecanismos de poder, assim como o papel do espectador dentro e fora da cena. Leia mais

Crítica

Foto: Matheus José Maria

4, direção de Rodrigo García, com La Carnicería Teatro (atriz Núria Lloansi)

Culto à insignificância

10 de setembro 2016 |
por Gabriela Mellão • São Paulo

Elas vêm
outras e iguais
com cada um é outro e igual
com cada uma a ausência de amor é outra
com cada uma a ausência de amor é igual
Samuel Beckett

Em Santos

4, peça de Rodrigo García que abriu a quarta edição do Festival Mirada – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos em 8 de setembro, aproxima o início e o final dos tempos a tal ponto que ambos se confundem. Leia mais