Menu

Artigo

Foto: Ricardo Gaspar

O poeta Ferreira Gullar durante homenagem em 2010 na Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip

Gullar, poesia, teatro, pensamento

22 de dezembro 2016 |
por Fernando Marques • Brasília

Ao comentar a obra de Ferreira Gullar em artigo de 2004, falamos nas “alterações de rota sucessivas, no que se pode chamar de incoerência produtiva, dialética”. Essas mudanças de rumo ressaltam na trajetória do poeta, crítico de arte e literatura, cronista e dramaturgo José Ribamar Ferreira. Leia mais

Entrevista

Foto: Divulgação

Inspiração balinesa no trabalho da Cia. Teatral dos Bondrés, do Rio de Janeiro, participante do 1º Festival Internacional de Máscaras do Cariri

Filosofia de um festival de máscaras no Cariri

16 de dezembro 2016 |
por Valmir Santos • São Paulo

A primeira edição do Festival Internacional de Máscaras do Cariri, o Fimc, de 7 a 11 de dezembro, corresponde a novo capítulo de arte e de cultura na região do sul cearense delineada por 32 cidades. Numa delas, a do Crato, fica o endereço da Beatos, organização não governamental idealizadora do evento.

Cidadã cratense, Dane de Jade é gestora cultural articuladora da ONG formalizada em 2010. A inspiração para criar um encontro com esse perfil veio do Canadá, via Festival Internacional de Máscaras de Quebec Leia mais

Crítica

Foto: Paula Kossatz

O escândalo Philippe Dussaert, direção de Fernando Fernando Philbert (ator Marcos Caruso)

O particular e o geral

09 de dezembro 2016 |
por Daniel Schenker • Rio de Janeiro

Mesmo que pince um caso específico – o de um suposto pintor (o Philippe Dussaert do título da peça com Marcos Caruso) que se notabilizou na reprodução de paisagens de fundo de telas consagradas – e que tome cuidado de, em dado momento do texto, ressaltar que não tem a intenção de abordar a arte contemporânea como um todo, o francês Jacques Mougenot realça questões abrangentes sobre a obra de arte nos dias de hoje (quem atribui o valor, como estabelecer critérios para legitimar ou não o trabalho). Leia mais

Artigo

Foto: Divulgação/Fronteiras do Pensamento

O poeta Ferreira Gullar morreu no dia 4 de dezembro de 2016, aos 86 anos

Cantando, o poeta é sem morte

07 de dezembro 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

Um apontamento de Terry Eagleton encontra forte ressonância no trabalho do maranhense José Ribamar Ferreira, mais conhecido como Ferreira Gullar (1930-2016). A literatura, disse o crítico inglês, não se define somente como um escrito de ficção, muito menos como um registro documental da realidade externa. Tampouco a capacidade imaginativa ou criativa é capaz de dar conta de um conceito tão espinhoso como “literatura”. Seu poder de, a um só tempo, colar e desprender-se da materialidade histórica advém de sua própria forma organizativa, que se volta contra o que Eagleton chama de “fala comum”, ordinária e cotidiana. Leia mais

Crítica

Foto: Lenise Pinheiro

Solidão, direção de Marco Antonio Rodrigues, com Grupo Folias d'Arte (ator Airton Graça)

Paisagem em labirinto

01 de dezembro 2016 |
por Valmir Santos • São Paulo

Observador atento da realidade no ato de rebelar-se contra ela, desde a primeira hora, o Grupo Folias d’Arte estabelece em Solidão um produtivo estranhamento na sua trajetória de quase duas décadas. Aqui os conflitos sociopolíticos estão submersos nas águas maternais do obscuro. Os artistas potencializam o inconsciente e vão beber direto na fonte do boom literário latino-americano das narrativas que exprimem o realismo gravitando o maravilhoso ou o mágico. Leia mais

Crítica

Foto: Lenise Pinheiro

Solidão, direção de Marco Antonio Rodrigues, com Grupo Folias d'Arte

Estranho fruto

01 de dezembro 2016 |
por Patricia Freitas • Santos/São Paulo

Solidão, novo espetáculo do grupo paulistano Folias d’Arte, parece desnortear o espectador em suas inúmeras e intensas fragmentações e deslocamentos, tornando inclusive o exercício de síntese da obra algo quase que impossível. Curiosamente, é nessa esteira do impossível tornado possível – caracterizado por muitos como “realismo mágico” – que se move a materialidade cênica do espetáculo, impelida a desafiar e transpor ao palco a forma amorfa do maior romance do colombiano Gabriel García Márquez, Cem anos de solidão. Leia mais

Crítica

Foto: Juliana Vinagre

A cidade e as mulheres, direção de Antônia Matos e Éder Lopes, com texto final de Alessandro Toller (atriz aprendiz Iara Ilária Perri Martins)

Utopia musical para a emancipação feminina

21 de novembro 2016 |
por Beth Néspoli • São Paulo

Se já existe razoável entendimento sobre a relevância do processo de criação em todos os campos da arte, e em especial em uma atividade coletiva e presencial como o teatro, no musical A cidade e as mulheres, criado de modo colaborativo pelos aprendizes da Fábrica de Cultura Jaçanã, na zona norte de São Paulo, o valor da construção do pensamento que funda o gesto criativo é perceptível na carne mesma do espetáculo. Leia mais